Pular para o conteúdo principal

Essa Festa Virou Um Enterro: Meu Podcast de Cultura Inútil




Nos últimos meses, o único tempo livre que me resta são as horas que gasto no transporte público indo e vindo da capital. Como lugar cômodo o bastante pra ler é coisa escassa nos ônibus que costumo pegar, me restou ouvir podcasts  um formato que já evitei consumir e hoje gosto tanto a ponto de começar a produzir  e assim nasceu a minha vontade de levar meu conhecimento inútil para as plataformas digitais.

Junto com Olga, Hanna e Alex, meus amigos de faculdade igualmente interessados em inutilidades, comecei o "Essa Festa Virou Um Enterro", pode crente podcast onde, entre uma piada de gosto duvidoso e outra, discutimos curiosidades e nossas próprias questões existenciais.



No nosso episódio de estreia, falamos sobre os serial killers mais doentios do Brasil e do mundo. No segundo programa, nosso foco foram os filmes, séries e músicas baseados em fatos reais, comparando a ficção e a realidade do nosso jeitinho todo especial de ser. Ao fim do programa, ainda indicamos outros conteúdos relacionados ao tema do dia (sim, TodoDiaUmLivroDiferente.jpg).

O "Essa Festa Virou Um Enterro" está disponível no Spotify, Apple, Google PodcastsYoutube e etc. Ou seje, te faltam desculpas pra não ouvir o quanto antes.

Comentários

  1. Olá!
    Estou curiosa para conhecer o vosso trabalho :)
    As novidades irão sair em breve?
    Beijinhos


    http://tudosoblinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Ahh vou salvar para escutar em breve. Adoro leituras, seriados com serial killer. Já quero saber os listados por vocês.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  3. Acho que nunca escutei um podcast, mas quem sabe não me agrada?!
    Pelo menos os temas de vocês me pareceram bem bacana!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Que legal saber que de tanto curtir o formato você resolveu passar a criar conteúdos nele também. Eu não sou de ouvir podcast nem de assistir a vídeos no youtube, sou mais de ler conteúdos mesmo, se me colocar num blog com um post de 3 mil caracteres eu vou ler de boa, mas se for ver um vídeo de 2 minutos eu já fico entediada kkkk mas tudo depende muito do canal, alguns vídeo eu até gosto se for de um assunto que me interesse e se eu for procurar por eles.
    Podcast é difícil encontrar um que eu consiga gostar tanto ao ponto de querer ouvir todo o conteúdo lançado, o seu (e dos seus amigos) eu não conhecia e de cara já achei mega diferente e interessante, tenho quase certeza de que vou ficar viciada =D

    ResponderExcluir
  5. Vou salvar seu podcast para ouvir no final de semana, mas seu trabalho está bem bacana, desejo sucesso nesse seu projeto.

    ResponderExcluir
  6. Você acredita que ainda não parei pra ouvir podcast? Sei que tenho grande probabilidade de viciar e vou começar por este aqui.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Acredita que nunca escutei podcast? Nunca me interessei muito rs' mas ando ouvindo comentários sobre e fico curiosa, irei dar uma conferida!

    beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show , viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

Julie e os Fantasmas: Analisando as diferenças entre a série da Netflix e a original brasileira

  A série gringa da Netflix inspirada na original brasileira "Julie e os Fantasmas" estreou no último dia nove e, como acompanhei a exibição da trama da Band, decidi dar uma conferida nos primeiros episódios da nova versão, a fim de ver se a obra tupiniquim estava sendo bem adaptada e analisar as diferenças. A criação de Fabio Danesi, Paula Knudsen e Tiago Mello narrava a história de Julie, uma adolescente apaixonada por música e que não tinha coragem de se apresentar em público. O chamado para a aventura vem quando ela, seu pai e irmão se mudam para uma casa velha, onde encontra um antigo estúdio e coloca um LP para tocar. Assim, libertando os músicos mortos: Daniel, Félix e Martin. Juntos, eles realizam seus sonhos musicais. Em "Julie and the Phantoms", da Netflix, a ausência da mãe da protagonista permanece, mas agora por motivo de falecimento e a menina não muda de casa, apenas passa a explorar mais o antigo estúdio da mãe e liberta os fantasmas tocando