Pular para o conteúdo principal

Entrevista:"Eu nunca sei o que esperar dele", Renata Ventura afirma sobre protagonista de seu livro



Recentemente, falei sobre A Arma Escarlate e como ele foi o melhor livro que li nos últimos tempos. Também falei que a autora, a Renata Ventura, era super atenciosa com seus leitores e fazia de tudo para conseguir responder a todos. Hoje, Renata nos conta sobre esse contato com o público, o que vem lendo e nos adianta o que podemos esperar do terceiro livro da série.

A ideia de AAE veio em uma entrevista da J.K.. Não rolou um pouco de medo do que os fãs de Harry Potter iam achar?
Eu sabia que alguns poderiam julgar antes de ler, mas que muitos seriam super fofos, como todos os potterheads que eu conheço são! Acabou que foi ótimo! Assim como eu, eles também estavam com saudades do mundo bruxo e viram, no meu livro, uma forma de não esquecer a magia.

O Hugo é um daqueles personagens que quase respiram de tão reais. Como foi a criação de um personagem que toma atitudes que o leitor reprova, sem nunca deixa de torcer por ele?
O Hugo é sempre um mistério para mim. Eu planejo as cenas e ele sempre muda tudo, porque gosta de me confundir! (risos). Eu nunca sei o que esperar dele, que resposta ele vai dar para uma provocação, mas sempre me surpreendo.

O que você vem lendo e indicaria pra gente?
No momento, estou lendo oito livros! Alguns, para pesquisar para o livro três, outros para eu não esquecer de continuar lendo ficção (risos). Mas o que mais estou com vontade de recomendar é um livro escrito por uma monja budista, chamado "Para uma Pessoa Bonita". Muito lindo, muito doce.

O que podemos esperar quanto ao terceiro livro?
Alguma tensão, principalmente na segunda parte, e uma pitada de Stephen King, talvez (risos).

Quando você se tornou uma leitora e quando percebeu que poderia escrever?
Eu sempre gostei de ler. Meus pais liam para mim antes de dormir, e logo compram Monteiro Lobato para que eu começasse a ler por conta própria! Não sei bem quando percebi que eu poderia escrever. Acho que eu sempre quis, desde os dez anos!

Quais eram as suas expectativas para o lançamento de A Arma Escarlate e como está sendo receber um retorno tão positivo do público?
Eu estou amando!!! A gente sempre tem expectativas boas quando lança um livro. A dúvida é sempre "será que a gente vai conseguir alcançar nossas expectativas?". Está sendo muito bom ver que, no meu caso, a resposta foi "sim!" para esta pergunta!!! É muito bom encontrar com leitores apaixonados em feiras e bienais, autografar livros, conversar com fãs! É espetacular.

Que dica você gostaria de ter ouvido no começo e daria pra quem está começando como escritor?
Não tenha pressa .

Imagino que seus personagens são como seus filhos, como é precisar "matar" um filho e dar adeus a ele?
Eu gosto mais de torturá-los, (risos) (os personagens, não os filhos, kkk).

Espero que tenham curtido o post,eu adorei tirar minhas dúvidas quanto leitor e agradeço muito à Renata, por, além de ter escrito algumas das melhores coisas que eu já li, ter me atendido com tanto carinho...Ah! Só pra não perder o costume : Leiam "A Arma Escarlate" (e a resenha que fizemos para o livro).

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.