Pular para o conteúdo principal

Resenha: A Arma Escarlate, de Renata Ventura



Um livro que li recentemente e que, até agora, foi o melhor de 2015, foi "A Arma Escarlate", da autora brasileira Renata Ventura, e é sobre ele que venho falar hoje.

 A escritora Renata Ventura via uma entrevista de JK Rownling (autora de Harry Potter) onde um fã perguntava se estaria interessada em escrever um livro sobre uma escola de bruxaria nos Estados Unidos, a autora falou que não, mas que ele podia escrever sobre isso se assim desejasse. Bastou isso para que nascesse Idá, ou Hugo Escarlate, como ele escolhe ser chamado, morador do Morro Dona Marta, lá no Rio de Janeiro.

 No meio de um tiroteio, o Hugo recebe uma carta (entregue por um pombo desses comuns) que o convidava para estudar numa escola de bruxaria do Rio. Acostumado com situações que o faziam se sentir humilhado, Idá concluiu que aquilo era só mais uma peça que o estavam pregando, mas o garoto acabou se sentindo forçado a acreditar na proposta. Mais que fascinado por aquela nova vida, o Hugo viu em sua varinha escarlate uma arma para acabar com o Caiçara, o bandido que vinha ameaçando a família dele.

 E não é só no mundo dos azêmolas (os não bruxos) que as escolas tem panelinhas e, logo que chegou, Hugo foi acolhido pelo grupo "dos populares", chamados de Pixies. Os integrantes são Viny, Caimana, Capí e Indio, mesmo que o quarto não goste muito da ideia de ter um quinto membro no grupo, estes podem ser grandes aliados na futura jornada do bruxo recém descoberto.

 A escola não segue exatamente a perfeição britânica. Além de lidar com professores faltosos e mal pagos, a escola de bruxaria do Korkovado vai precisar se virar com os problemas do nosso mundo, levados para dentro pelo nosso protagonista.

 Mesmo que parcialmente baseado em Harry Potter, o livro "A Arma Escarlate" esbanja originalidade. Começando pelo Hugo, que é exatamente o oposto do Potter. Os problemas da vida dele começam bem antes de descobrir ser um bruxo. Não, ele não tem um tio albino sem nariz morando atrás da cabeça de um professor, mas sim um chefão do tráfico que ameaça a família dele.

 Algo que me agradou muito nesse livro foi a proximidade que eu senti da história. Os cenários, os personagens, os problemas sociais fazem a gente se sentir muito próximo e acreditar muito naquela realidade. Outro ponto positivo são as figuras históricas. Eu sou um apaixonado por história e consegui encontrar várias citações de personalidades históricas. Desde a Rainha Louca, que foi anteriormente a diretora da escola, a Dom Obá que...Melhor não falar, não tô bem pra ser agredido por dar spoiler essa semana.

 Conhecemos bem a mitologia greco-romana, mas bem pouco a nossa, a brasileira. O que sabemos vem dos dias do folclore no ensino fundamental, mas tem muita coisa que não conhecemos à fundo, muita coisa interessante e foi a primeira vez que vi um escritor (que não fosse o Lobato) falando sobre.

 O Hugo é um personagem bastante complexo e é por isso que é tanto meu personagem favorito, quanto o menos favorito. Ele erra, ele acerta, ele é teimoso e mesmo quando ele faz besteira o leitor continua torcendo por ele. Quanto à minha página favorita, esta é a 360, porque é quando o Hugo descobre mais sobre a origem dele e não vou falar mais pra não rolar o negócio da agressão.

Resultado de imagem para renata ventura

 Enfim, é um livro que eu recomendo muito e que já está na minha lista de favoritos. O segundo livro,"A Comissão Chapeleira", já foi lançado e parece que a Renata vem preparando um terceiro, simplesmente necessito dos dois.

Comentários

  1. A Renata é um amorzinho! Há muito tempo venho querendo ler A Arma Escarlate. Amei a resenha

    www.universonotavel.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.