Pular para o conteúdo principal

Entrevista: “Ao sentir a dor do outro, não tem como continuar sendo indiferente”, diz Daniela Arbex sobre efeitos que sua obra causa no leitor

Daniela Arbex é uma jornalista mineira que dedica seu trabalho a dar voz a temáticas invisibilizadas na sociedade brasileira, utilizando de vasta apuração para escrever livros como “Holocausto Brasileiro”, que denuncia as condições sub-humanas vivenciadas num manicômio de Barbacena, “Cova 312”, onde a escritora desvenda um assassinato do período da ditadura, e “Todo dia a mesma noite”, obra em que revela a história por trás da tragédia da Boate Kiss. Nesta entrevista, a autora conta sobre seu processo de escrita e os efeitos causados por suas obras.

Como você vê o cenário atual do jornalismo literário no país?
Eu vejo sempre com otimismo, porque os meus livros sempre foram muito bem recebidos pela critica e pelo público. Talvez eu seja hoje uma das autoras de livros reportagem que mais vendem no país, e, se a gente pensar que os temas que eu abordo são densos, difíceis de digerir, vemos que o jornalismo de qualidade está cumprindo seu papel: Despertar o interesse das pessoas sobre temas e questões invisíveis no Brasil. Na minha opinião, o jornalismo de qualidade vai ter sempre espaço em qualquer plataforma.
Bate-Papo com Daniela Arbex – Revide - Social

Quais foram os desafios que você encontrou ao escolher seguir com o jornalismo literário?
Na verdade, eu não encontrei grandes desafios, no sentido literal. Porque, dentro da redação, eu já tinha uma narrativa muito literária, mesmo escrevendo jornalismo diário. Eu já tinha essa pegada humana, de contadora de histórias. Migrei naturalmente pra literatura, levando toda a qualidade que o jornalismo diário me deu, em relação à apuração e checagem de dados. Foram esses 23 anos de redação que me deram maturidade para me tornar uma escritora.

Como é o seu processo de escrita?
É um processo longo, mas ele parte necessariamente da qualidade da apuração, pois, sem a apuração devida, você não consegue escrever, por melhor que seja o seu texto. Você precisa ter 100% de informação, para usar 10% no seu texto, é necessário ter a compreensão do todo para escolher os ângulos pelos quais a história será contada.

Holocausto Brasileiro: os horrores do hospital psiquiátrico de ...

Qual foi seu principal objetivo ao escrever "Holocausto Brasileiro"?
Meu objetivo ao escrever “Holocausto Brasileiro” foi denunciar a forma como pessoas, supostamente com doenças mentais, eram e são tratadas no Brasil. Meu objetivo era dar voz a quem não tem, dar visibilidade a essa temática, colocando a luta antimanicomial na agenda pública novamente. Minha intenção era contar essa história para o maior número de pessoas através da voz dos sobreviventes.

Como você vê o impacto de “Holocausto Brasileiro” na mentalidade do leitor?
Fico muito feliz quando percebo que Holocausto Brasileiro é uma referência nacional, não só pra o jornalismo, como na área da saúde, da filosofia, da sociologia... Porque o livro fala da complexidade humana. Então, eu fico feliz que ele toque as pessoas, e é assim que tem que ser. Porque, durante muito tempo, nós, numa sociedade higienista, nos acostumamos a não enxergar a dor alheia. E “Holocausto Brasileiro” coloca a gente no lugar do outro, por isso que ele provoca todas essas reações e transformações no olhar. Ao sentir a dor do outro, não tem como a gente continuar indiferente. 

Como foi adaptar “Holocausto Brasileiro” para a linguagem audiovisual no documentário da HBO?
A adaptação do Holocausto pra TV foi um processo bem natural, já que, quando você tem uma apuração de qualidade, você tem uma história de qualidade que pode ser contada em qualquer plataforma. Então Holocausto Brasileiro já foi uma série de reportagens ganhadora do Prêmio Esso, depois se tornou um best seller da literatura e, em seguida, um documentário que foi para mais de 40 países e atingiu diversas pessoas ao redor do mundo. O documentário complementa o livro e o livro complementa o documentário. O trabalho audiovisual é muito rico por mostrar o tamanho da tragédia, o tamanho da indiferença. Esse documentário também é muito importante por mostrar como muitas pessoas foram incapazes de enxergar a gravidade da situação, deixando de denunciar e tornado-se parte daquilo.

Como defensora dos direitos humanos, qual a sua visão sobre a atual situação política do país e as ameaças de retorno dos manicômios?
Eu vejo com muita preocupação a atual situação política do Brasil, porque a gente vem dando sinais claros de retrocesso. Na política de saúde mental principalmente, porque o manicômio, que era um pagina virada, voltou a ser considerado como forma de tratamento. Enquanto toda a luta da saúde mental teve como objetivo fortalecer o cuidado em liberdade, esse atual governo traz o manicômio como uma opção, sendo que o manicômio nunca foi e nunca será local de moradia. Esses retrocessos terão conseqüências que ainda nem podemos dimensionar.

“Cova 312” é de um impacto e importância gigantescos. Como foi a construção do livro?
Cova 312 - 9788581302737 - Livros na Amazon BrasilEste é um livro muito importante na minha trajetória, porque ele ajuda não só a desvendar um segredo da ditadura, um assassinato, mas também dá pra família que perdeu o seu parente, a chance de resgatar a memória afetiva desse ente querido, que ficou desaparecida por tantos anos. É uma obra muito tocante, porque um morto me levou à presença dos amores dele, amores dos quais ele não pôde se despedir. E coube a mim ser essa ponte, entre esse morto e essa família, que não pôde nem viver seu luto. Então é uma história que me toca profundamente, não só pela descoberta em si, mas pelo tempo que passei envolvida com ela. Foi uma década envolvida na busca de provas fundamentais que conseguissem contar a história desse assassinato de uma forma incontestável. 

Entrevista realizada por Olga Vieira, Hanna Farias e Kauan de Morais. 

Comentários

  1. Olá.
    A gente vê muito por aí entrevistas com autoras de ficção, mas acho que essa é a primeira com alguém que escreve não ficção que eu leio. Eu já tinha conhecimento sobre o caso da Cova 312 e também já tinha visto livro, então foi muito bom conhecer mais sobre a pessoa que o escreveu. Espero poder ler esse e os outros livros dela em breve.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Apesar de ela ter escrito o livro que retrata o ocorrido em minha cidade (o da boate Kiss), eu nunca li nada da autora; ainda não tive coragem para ler sobre esse acontecimento. Adorei a entrevista, os livros dela parecem ser muito bons!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Eu li apenas um livro da autora, o Todo Dia é a Mesma Noite que conta a história da tragédia Kiss pela perspectiva dos sobreviventes e das famílias da vítimas e esse livro tem um lugar de honra no meu coração, ainda que tenha me feito sofrer muito. Adoro a escrita dela!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Que interessante a entrevista. Conhecermos um pouco mais do trabalho da autora por trás é sempre curioso. Admito que nunca li nada dela, mas seus títulos me são conhecidos, e quero um dia mudar o status de não lidos. Adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá! Tive a sorte de participar de uma mesa com a Daniela em uma cidade aqui do lado e que pessoa incrível! Fico feliz pelo sucesso dela porque ela é uma dessas mulheres que escrevem obras absurdamente necessárias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é perfeita. Aff, amo essa mulher e tudo que ela faz <3

      Excluir
  6. Oi, tudo bem? Que entrevista mais interessante. Acho incrível ter oportunidade de conhecer pessoas assim mais de perto. Acredito que foi por esse livro que soube do holocausto brasileiro, antes nunca tinha ouvido falar sobre o tema. Pra mim lugares assim existiam apenas em outros países. Obrigada por nos trazer mais detalhes. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. O Brasil é cheio de histórias de horror como esta, o que nos difere dos demais países é que ainda não entendemos que os erros do passado devem ser constantemente relembrados pra que não sejam repetidos.

      Excluir
  7. Olá, tudo bom?
    Tenho muita vontade de ler Holocausto Brasileiro, no entanto, ainda não tive coragem de iniciar. Por ser algo que aconteceu em minha cidade, por ouvir histórias de parentes que tiveram amigos mandados para esses manicômios, ainda é algo muito difícil de ler. Adorei conferir a entrevista com a autora e em breve espero ler o livro que conta a história da tragédia da Boate Kiss. Sua entrevista foi muito bacana para conhecermos mais da autora e de sua obra.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como a Daniela disse, o livro te faz sentir um pouco do sofrimento que eles viveram, despertando empatia e etc. É bem duro pra qualquer pessoa ler, mas imagino que pra você, que está ainda mais próxima da narrativa, deve ser bem mais. As cenas descritas em "Holocausto Brasileiro" permeiam minha memória até hoje. Torço muito pra que esse passado triste fique no passado. Abraço!

      Excluir
  8. Nunca li nada dessa autora. Mas gostei de conhecer um pouco de seu trabalho pelo seu próprio ângulo de vista. Não digo que irei conferir seus títulos porque esse é um gênero que pouco consumo, mas nada descarta de num futuro não muito distante eu ler algo dela e gostar.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Até ler seu post, eu ainda não tinha ouvido falar sobre a autora ou seus livros, mas ache muito interessante poder conhecer sobre o trabalho dela e seu processo de escrita. Os temas são realmente muito fortes e imagino o quanto ela deve ter feito um profundo trabalho de pesquisa.
    Amei a entrevista e vou querer conferir o trabalho dela depois.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Gostei demais de conhecer essa escritora, seus livros me deixaram curioso para ler, pois parecem ser assuntos fortes, o que gosto de ler. Já anotei a dica, pois estou bem curioso para conferir essas histórias na íntegra.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.