03 junho 2017

Trabalhos Musicais Posteriores de ex-Artistas de Talent Shows


 Os reality shows musicais costumam fazer muito sucesso no Brasil, prova disso são as várias temporadas do The Voice e as inúmeras vezes em que concursos musicais foram transmitidos, desde o começo da TV no país. Diferente do que acontece internacionalmente, apesar de despertarem identificação no público durante o programa, os participantes desses talent shows, muitas vezes, não têm o devido reconhecimento. Hoje, trago cinco trabalhos posteriores desses artistas musicais que têm tudo para ganhar o cenário nacional.

 Formada no X-Factor Brasil, a girlband Ravena ficou com o terceiro lugar na competição e agora trabalha com o produtor musical Rick Bonadio. Com uma integrante a menos, Lara Dominic (que se desligou do grupo por questões pessoais), as meninas lançaram o primeiro single na ultima quinta (01) e já têm mais de 100 mil visualizações no lyric video de "É Assim Que Se Faz". O Ravena, que foi criticado pela harmonia do grupo durante a competição, já tinha demonstrado sinais de grande evolução em recentes apresentações ao vivo e covers postados em seu canal oficial. O single teve críticas positivas e ganhará clipe em breve.



 Devo admitir que temi pelas meninas quando soube que trabalhariam com o Rick, vista a história deste com o Girls (girlband formada no reality Fabrica de Estrelas que ele e a gravadora abandonariam com menos de um ano de formação), mas ,desta vez, nos foi apresentado um pop mais condizente com o momento atual da música e a Ravena não depende de gravadora ou do próprio produtor para permanecer unida.

 Jullie, que se popularizou com o hit chiclete"Gasolina" e participou do The Voice Brasil, lançou um disco de folk e MPB. Como influências, a cantora capixaba tem Suricato, Banda do Mar e Clarice Falcão, cantando sobre liberdade, amor e natureza. Dani Black é amigo de Jullie desde que participaram juntos do programa "Gente Inocente" e divide com elas os vocais na faixa "Ai de Mim".



 O CD "Até o Sol" é completamente diferente do disco lançado pela cantora em 2009 ("Hey"), vemos aquela cantora de pop agitado mais madura e cantando musicas mais calmas, com uma pegada mais acústica. Devo admitir que curti muito. Com as influências citadas anteriormente, tinha que ser incrível como é.


 Campeão da primeira edição do X-Factor Brasil, Cristopher Clark era um dos concorrentes mais experientes, fazendo seu som profissionalmente desde 1996. O cantor fez diversas versões rock de músicas pop durante o programa e acabou levando o prêmio e lançando, recentemente, o seu primeiro CD solo autointitulado.



 Cristopher é uma daquelas grandes vozes brasileiras que não conseguem espaço por estarem na contramão do que o mercado musical tem pedido. O vocalista da banda Piper tem uma voz grave e canta rock, o bastante para só tê-lo feito chegar à mídia aos 43 anos. Apesar de possuir muitas regravações — hits  do pop como "Closer" e "Bang Bang" estão na lista — o CD tem a cara do Cristopher e até algumas canções autorais como "Cada Palavra".


 Talvez o mais conhecido entre os artistas citados, Sam Alves surgiu com um trabalho com a cara do pop norte-americano. Depois de regravar o clássico "Nosso Video", o campeão do The Voice Brasil gravou o clipe de "Só Você", mudando não só sua sonoridade, como também sua imagem.



 O clipe foi gravado nos Estados Unidos e tem bem essa atmosfera. Apesar de não ter alcançado 200 mil vizualizações, acho que "Vejo Só Você" é um dos trabalhos autorais mais legais do cantor, com uma batida bem feita e uma letra que não cai no repetitivo.


 Voltando aos finalistas do X-Factor, Jenni Mosello lançou o bem sucedido single "Run To The Hills" logo depois de conseguir o segundo lugar na competição. O hit em inglês foi muito ouvido no Spotify e, logo depois, deu-se o lançamento do clipe de "Disk Me Quer".



 Na minha opinião, Jenni traz o melhor do indie pop brasileiro nesse clipe. Muitos discordaram quanto à segunda colocação da cantora, dizendo que esta tinha não só a voz, mas também o fator x tão buscado pelo programa. Devo concordar. Tudo no trabalho de Jenni é pensado, desde a letra da canção até sua identidade visual. Tenho ouvido tanto "Run To The Hills" quanto "Disk Me Quer", o tempo todo.


 Lucy Alves não venceu o The Voice, mas chegou até a final e fez sucesso como atriz na Rede Globo. Agora, ela aproveita do cenário propicio para as mulheres no seguimento musical e lança o pop nordestino"Caçadora".



 Chega a ser incrível o modo como Lucy não abandonou suas raízes nordestinas, sua estimada sanfona, e ainda conseguiu lançar uma música com uma sonoridade totalmente atualizada. O clipe é uma obra de arte, do boteco à referência aos orixás, tá tudo lindo. Parece que a Warner investiu na artista certa.

 Espero que vocês deem uma chance à pelo menos um dos artistas citados, acredito bastante no trabalho de todos e eles merecem bastante reconhecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário