Pular para o conteúdo principal

O Caso Real da Bruxa Barbara dos Prazeres

 

 Se hoje os jornais sensacionalistas noticiam crimes que até Deus duvida, imagine séculos atrás, quando a justiça não era das melhores (não que seja uma maravilha hoje). Minutos atrás eu prosseguia na leitura de  "A Comissão Chapeleira", de Renata Ventura, e Barbara dos Prazeres foi citada. Curioso como sou, fui  buscar mais sobre esta senhora e agora trago para vocês.

 Portuguesa, Barbara se mudou com o marido para o Rio de Janeiro ainda bem jovem. Aqui no Brasil, se apaixonou por outro e assassinou o marido para poder viver seu romance. O que não imaginava é que o amante viria a explorá-la e torrar seus bens. Mas isso acabaria durante uma briga, quando Barbara o matou também.



 Pobre e assassina, a sobrou se prostituir no Arco do Telles. Lá, reinou suprema durante os próximos vinte anos de sua vida, até que os reflexos da idade foram ficando mais visíveis. E onde havia antes a mulher procurada pela nobreza e que usava "Barbara dos Prazeres" como nome de guerra, só sobrou uma velha decadente, que volta e meia encontrava quem lhe tirasse o que tinha. 

Consequentemente veio a falta de clientes. Agora, os homens riam de suas investidas e ela os cuspia e amaldiçoava. Chegou a levar até uma surra de dois escravos à mando de seu senhor por conta de suas maldições. Dizem até que a expressão "a bruxa tá solta" foi inspirada nela.

 Se queixando de dores insuportáveis, Barbara foi atrás duma casa de magia oculta para aliviar seu sofrimento e te trazer de volta sua beleza e, com isso, seus tempos áureos. Uma formula lhe foi ensinada e o ingrediente principal era sangue humano e quente, de preferência o infantil. Barbara passou a atrair crianças pobres com brinquedos e doces para estrangulá-las e realizar um ritual bizarro.



 Não se sabe quantas foram as crianças sacrificadas em nome de seu rejuvenescimento, nem se a tal poção funcionava. O que importa é que a mente perturbada da meretriz a fazia pensar que sim ,e em pouco tempo o terror se espalhou pelo RJ.

 Agora, que as crianças já não saiam mais sozinhas e que as famílias estavam apavoradas, as coisas se dificultaram para Barbara,que passou a ficar de tocaia na roda dos expostos da Santa Casa de misericórdia,que era uma especie de bandeja giratória onde as mães abandonavam suas crias. Um sino era tocado e a bandeja girava, lá as freiras pegavam as crianças e as encaminhavam para a adoção. Barbara usou esses bebês,até que prendeu o braço no instrumento e quase foi pega.

 Não se sabe como foi descoberta, mas Barbara dos Prazeres se tornou a mulher mais procurada da cidade, chegou até a ser presa, mas fugiu da cadeia sem deixar rastros. 


Ela viveu oficialmente até 1830, quando um cadáver desfigurado apareceu boiando no Largo do Paço e foi reconhecido por alguns como dela. Como não haviam exames que comprovassem, não se pode ter certeza. Há quem diga que em certo momento de sua loucura passou a beber sangue de cães e gatos. Há também quem diga que a bruxa está solta até hoje, eternamente jovem e bela.


Comentários

  1. O que se sabe da vida da "Barbara dos Prazeres" enquanto vivia em Portugal?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.