Pular para o conteúdo principal

Crônica: Copo vazio,Cabeça Rachada

 

 O relógio já marcava pelas 3:55. Não que isso importe,afinal,este deu seu ultimo suspiro anos atrás. A aula era de matemática,mas me parecia ser de alemão. Nossa comemoração ao tocar o sinal sinalizando a chegada do intervalo só comprovava isto.

 Com o intervalo,o momento mais esperado,o lanche. Não que eu seja daquele tipo de gente que não faz outra coisa senão comer,apenas sei valorizar o que a vida nos deu de melhor. O que não podia esperar era um atentado contra a vida dum colega.

 Uma garota tinha um copo em mãos e ,num momento decisivo,o lançou contra um rapaz passante. O rapaz sorriu e fez algo que marcaria o resto de seus dias. Quando perguntada,a garota dizia só lembrar dum objeto de cor azul indo em sua direção,enquanto sofria da paralisia do medo. A garota virou-se,chocada,e entre os caracóis de seu cabelo havia sangue. No chão,a arma do crime jazia intacta.

 Enquanto uma multidão o cercava,o garoto recém-criminoso via o mundo girar e só pensava uma coisa: "Por que não continuei a dormir?".






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show , viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

Julie e os Fantasmas: Analisando as diferenças entre a série da Netflix e a original brasileira

  A série gringa da Netflix inspirada na original brasileira "Julie e os Fantasmas" estreou no último dia nove e, como acompanhei a exibição da trama da Band, decidi dar uma conferida nos primeiros episódios da nova versão, a fim de ver se a obra tupiniquim estava sendo bem adaptada e analisar as diferenças. A criação de Fabio Danesi, Paula Knudsen e Tiago Mello narrava a história de Julie, uma adolescente apaixonada por música e que não tinha coragem de se apresentar em público. O chamado para a aventura vem quando ela, seu pai e irmão se mudam para uma casa velha, onde encontra um antigo estúdio e coloca um LP para tocar. Assim, libertando os músicos mortos: Daniel, Félix e Martin. Juntos, eles realizam seus sonhos musicais. Em "Julie and the Phantoms", da Netflix, a ausência da mãe da protagonista permanece, mas agora por motivo de falecimento e a menina não muda de casa, apenas passa a explorar mais o antigo estúdio da mãe e liberta os fantasmas tocando