Pular para o conteúdo principal

A Curiosa História dos Cães: De Filhos das Trevas a Milagreiros


 Estava eu numa daquelas tardes de desocupação, quando fui buscar alguma coisa curiosa sobre os cachorros. Não achei que fosse encontrar muita coisa, mas encontrei e trouxe nesse post que pode mudar a sua vida, ou pode ser a perda de uns minutos da sua vida.

Surgidos provavelmente do cruzamento de lobos e chacais, os cães vêm tendo uma relação próxima com os humanos, desde os tempos pré-históricos, quando ajudavam as tribos em troca de abrigo e alimento.

No antigo Egito, eram adorados na 
forma do Deus (com cara de cachorro) Anúbis e considerados conhecedores da vida e da morte. A crendice se deu pelo hábito dos cães de se alimentarem de cadáveres.

 A coisa ficava ainda mais criativa em Roma, onde os animais eram postos em templos e considerados curandeiros. Não, a cura não era feita quando um dos cães colocava a mão na cabeça de alguém e dizia "Saí, satanás!",mas quando lambia as feridas do enfermo.

 Por ter facilidade em se adaptar, depois de combater junto a Alexandre, o Grande, os cães foram se espalhando pelo mundo e servindo de sacrifício a deuses. Além de se matarem em coliseus, ainda eram mantidos sem comida na Bretanha, a fim de matarem escravos em grandes espetáculos. Após reconhecerem que aquelas raças estavam muito violentas, quase as extinguiram.


 A época de grande prestígio acabaria com a chegada da Idade Média. Com a Peste Negra a todo vapor, os cadáveres eram comidos pelos cachorros e isso levou à Igreja Católica a considerá-los criaturas das trevas relacionadas com a morte...Pois é, tinha uma galera sem louça pra lavar em casa.

Assim como os gatos, cães foram considerados animais de bruxas, lobisomens e vampiros. A situação ia ainda mais longe: Caso um acusado de bruxaria fosse visitado por um cão, gato ou pássaro, este seria considerado culpado no mesmo momento. Eu sei...parece impossível, mas tem doido pra tudo.

 Do fim da Idade Média ao Renascimento, esses animais já podiam ser vistos na companhia de crianças e sendo utilizados como companhia em caçadas. Não demorou para que os cães caíssem no gosto dos nobres e que algumas raças fossem símbolos de riqueza. Também tiveram um papel importante na conquista dos polos, puxando trenós. No século XIX, voltavam a ser utilizados como rastreadores e treinados para guerras.


Algo curioso é que o único lugar onde os cães são chamados de cachorros é o Brasil. Isso se deu na antiguidade, por conta da associação de "cão" a "demônio". Enfim, mesmo que tenham estado junto do homem desde os primórdios, os cachorros só se tornaram mascotes como são hoje à partir do inicio do século passado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show , viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

Julie e os Fantasmas: Analisando as diferenças entre a série da Netflix e a original brasileira

  A série gringa da Netflix inspirada na original brasileira "Julie e os Fantasmas" estreou no último dia nove e, como acompanhei a exibição da trama da Band, decidi dar uma conferida nos primeiros episódios da nova versão, a fim de ver se a obra tupiniquim estava sendo bem adaptada e analisar as diferenças. A criação de Fabio Danesi, Paula Knudsen e Tiago Mello narrava a história de Julie, uma adolescente apaixonada por música e que não tinha coragem de se apresentar em público. O chamado para a aventura vem quando ela, seu pai e irmão se mudam para uma casa velha, onde encontra um antigo estúdio e coloca um LP para tocar. Assim, libertando os músicos mortos: Daniel, Félix e Martin. Juntos, eles realizam seus sonhos musicais. Em "Julie and the Phantoms", da Netflix, a ausência da mãe da protagonista permanece, mas agora por motivo de falecimento e a menina não muda de casa, apenas passa a explorar mais o antigo estúdio da mãe e liberta os fantasmas tocando