Pular para o conteúdo principal

Resenha: Annie, de Thomas Meehan

Annie - Thomas Meehan - Intrínseca

Mais uma resenha e hoje vim falar do primeiro livro que li este ano. O infantil "Annie", de Thomas Meehan, foi sorteado no meu book haul de dezembro, este é baseada em tirinhas de Harold Gray, primeiro resultando em um espetáculo musical, e agora em um livro.

 O livro conta a história de uma garotinha que vive em um orfanato junto com outras de idades variadas, mas Annie não é como as outras órfãs, porque ela não se considera uma.

 Junto com ela foi deixado um medalhão e um bilhete de seus pais. Nele, o casal dizia seu nome, data de nascimento e pedia para que cuidassem bem de sua garotinha, pois voltariam breve para buscá-la. 

Os anos se passam e Annie gasta seus dias espiando pela janela do quarto onde dormia com as colegas, vendo cada gota de suas esperanças irem com cada um que passava e não batia na porta do orfanato em busca dela. Chega uma hora que não aguenta mais o tratamento que recebia da megera que "cuidava" dela e do preconceito que sofria. Não lhe faltavam só pais, mas também um sobrenome. Todas as outras tinham. Eis que a jovem decide encarar Nova York em busca de seus pais.

Na busca pelos que lhe deixaram naquele orfanato anos atrás, Annie conhece várias pessoas. Algumas vão enganá-la e até ao leitor, mas outros lhe ensinarão o verdadeiro conceito de família.

Vocês já devem ter percebido que fatos históricos me agradam muito, e o livro se passa durante o período da Grande Depressão. O autor faz até com que a protagonista tenha um papel importante pra acabar com a crise vivida nos Estados Unidos. Este foi um dos motivos de ter gostado do livro. Mesmo sendo um titulo infantil, agradará todas as idades, pelo menos me agradou e recomendo para ler entre um livro maior e outro.


 Já adaptado para os cinemas várias vezes, "Annie" foi readaptado e chega às telonas com Quvenzhané (chama de Zhané , Zezinha, sei lá) Wallis no papel titulo. Parece ser uma releitura moderna e mais inclusiva. Já amo.


Annie filme - Veja onde assistir online
 Personagem favorito: A própria Annie. O humor da garotinha vai conquistar à todos (não, eu não sou locutor da Sessão da Tarde). Mesmo sendo órfã, estando sozinha numa cidade enorme, Annie nunca perde o bom humor. A menina ainda fica longe de ser só uma vitima, nada a impede de se defender de quem ousar caçoar dela e de suas amigas.


Personagem menos favorita: Não é a Miss Hannigan, porque essa vilã foi muito legal (é, eu sei, sou estranho), mas a professora FDP do campeonato de soletração (não, não é o Luciano Hulk).


Página favorita: 67.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.