Pular para o conteúdo principal

Achados do Sebo: Edição 1 da Revista "Herói"

(ignore o preço ,não vou tirá-lo daí...Não tô afim de levar um pedaço da capa junto)

 O quadro é novo e sobre algo que amo falar: Coisa véia! No "Achados do Sebo" eu venho mostrar pra vocês algumas raridades que encontrei pelas minhas andanças pelos sebos da vida. Aos ricos que só conhecem a Saraiva, o sebo é um lugar onde compramos livros, gibis, mangás e vinis usados. O lado ruim é que as coisas costumas vir com alguma avaria, o lado maravilhoso é que lá você encontra coisas que nunca encontraria em livrarias. Hoje, venho mostrar-lhes a primeira edição da revista "Herói".

 Numa época sem internet uma revista que te deixava por dentro das novidades heroicas que estavam chegando no Brasil era o paraíso. Esta revista foi a "Herói", que vinha para saciar a curiosidade dos fãs dos maiores heróis do mundo, em especial, fãs dos Cavaleiros do Zodíaco.

 As primeiras páginas recapitulavam a história dos cavaleiros até o torneio onde viriam a se enfrentar. À seguir os fãs conferiam fotos e informações sobre as "figuras de ação" dos heróis, que já estavam esgotadas na maioria das lojas. 

 Depois de tanto CDZ os consumidores de cultura pop heroica podiam desvendar alguns segredos da existência do mutante Wolverine....Hoje já não são mais tão secretas assim.

 Você percebe a idade da revista quando chega numa coluna chamada "Os Novos Heróis do Japão" e na lista está o Goku. Na lista também estava "Sailoor Moon", que logo chegaria ao Brasil e seria exibido no programa da Eliana...Também rolou uma música que traumatizou muita gente, mas não queremos mexer com seu emocional hoje.

  Era uma época onde muitos heróis dos quadrinhos estavam ganhando espaço na TV, e a herói tinha que informar isso para seu publico. Heróis como o "Homem-Aranha" estavam prestes a voltar aos desenhos. Eles ainda falaram da editora "Image", que estava ganhando espaço no mercado estadunidense. Um dos segredos do sucesso da editora eram seus fundadores, os melhores desenhistas da Marvel. Uma pena que hoje não se ouça falar dela.

 Espero que tenham curtido o post, não demoro a voltar...acho. Disponibilizaria para baixar a revista, mas acha mesmo que eu ia meter uma revista dessas dentro duma máquina pra escanear?  Ah! A revista teve inicio em 1994 e durou 12 anos, hoje funciona num website.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show , viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

Julie e os Fantasmas: Analisando as diferenças entre a série da Netflix e a original brasileira

  A série gringa da Netflix inspirada na original brasileira "Julie e os Fantasmas" estreou no último dia nove e, como acompanhei a exibição da trama da Band, decidi dar uma conferida nos primeiros episódios da nova versão, a fim de ver se a obra tupiniquim estava sendo bem adaptada e analisar as diferenças. A criação de Fabio Danesi, Paula Knudsen e Tiago Mello narrava a história de Julie, uma adolescente apaixonada por música e que não tinha coragem de se apresentar em público. O chamado para a aventura vem quando ela, seu pai e irmão se mudam para uma casa velha, onde encontra um antigo estúdio e coloca um LP para tocar. Assim, libertando os músicos mortos: Daniel, Félix e Martin. Juntos, eles realizam seus sonhos musicais. Em "Julie and the Phantoms", da Netflix, a ausência da mãe da protagonista permanece, mas agora por motivo de falecimento e a menina não muda de casa, apenas passa a explorar mais o antigo estúdio da mãe e liberta os fantasmas tocando