Pular para o conteúdo principal

Bateu Nostalgia: Yu Yu Hakusho




Fiquei um tempo sem postar e consequentemente sem fazer este quadro,pensei até em parar de fazê-lo,mas...bateu nostalgia. No post de hoje não vamos falar sobre um anime,vamos falar DO anime. Falo de Yu Yu Hakusho...é,a serie é bem melhor que o nome.

 A maioria dos animes japoneses é adaptação dum mangá,e com o YYK não foi diferente. Escrito e desenhada pelo mangaka Yoshihiro Togashi,no Brasil o mangá foi lançado de 2002 à 2004 em 38 edições,diferente de seu país de origem que o publicou no inicio dos anos noventa e o republicou no inicio dos anos dois mil,só que todo colorido e com novas capas.

 O anime foi produzido pelo Estudio Pierrot e exibido originalmente no Japão de 1992 à 1995 pela coprodutora Fuji TV,mas só chegou aqui pelo fim dos anos noventa pela santa e extinta Rede Manchete,mas viria a ser redublado e exibido novamente pelo Cartoon Network e rede Bandeirantes.

A serie conta a história dum Bad Boy de quatorze anos,Yusuke Urameshi,que se joga na frente dum carro para salvar a vida dum garotinho. Ao chegar no além ele dá de cara com Botan,sua futura ajudante,que conta que sua morte foi em vão. Sim,o garotinho se salvaria milagrosamente. Como nem Deus esperava que Yusuke salvasse uma criança,não havia lugar para ele nem no céu nem no inferno. A solução era fazer um teste para ressuscitar. Yusuke gasta sua unica chance para salvar sua namorada amiga de infância,o que o faz ser valorizado e ressuscitado com um beijo da mesma amiga. Quando parece que não haverá mais enredo, Urameshi se torna "Detetive Espiritual".

 Sr. Koenma,filho e substituto do rei do mundo espiritual é um show à parte e meu personagem predileto. Seus comentários bobos e sua aparência surpreendente para um superior seduzem o espectador que passam a ter não só ação,mas humor.

 YYH é uma serie premiada e está entre os melhores animes de todos. No Brasil teve bons índices de audiência durante o fim da existência da Rede Manchete,mas segundo o proprietário da empresa que licenciava produtos japoneses como o em questão,eles tiveram grande dificuldade de produzir variedade de brinquedos sobre o anime.

 Entre o anime e o mangá há algumas diferenças,personagens como a inspetora que investiga se a volta de Yusuke é desejada na terra são totalmente mudados,mas a que mais incomodou foi a não exploração da estadia de Yusuke no mundo fantasma,o que acontecia no mangá. Isto faz com que eu recomende o mangá,eu até prefiro...acho que é porque prefiro ler a assistir.

 Eu demorei muito pra conseguir todos os episódio dublados (mas já era fã mesmo sem ter visto nada,serio,eu saia atirando Lai-Gun imaginário só por ter visto a abertura no youtube),agora que achei virou um vicio e já imagino a senhora depressão que vou pegar depois que acabar. 

















 Espero que tenham curtido o post, mas se bateu nostalgia ou não conhecia a serie, fique com a playlist dela completa AQUI.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.