Pular para o conteúdo principal

Famosos Brasileiros Que Foram Parar nos Quadrinhos

 

Se hoje, a Turma da Mônica é a única representante brasileira nas bancas, anos atrás, até mesmo pessoas famosas estrelaram suas próprias revistas em quadrinhos. Algumas das figuras transformadas em personagens de gibi nem mesmo tinham ligação com o público infantil.


 Comecemos pelos nossos craques do futebol. O Pelezinho foi o primeiro destes. A ideia de escrever as aventuras infantis do jogador surgiu em 1976, durante uma conversa entre Mauricio de Souza e o próprio Pelé, que estava em sua época de consagração.

A publicação teve início no ano seguinte e chegou ao seu fim em 1986, ficando certo tempo sem ser publicada. Isso duraria até 2012, quando republicações vieram. Uma animação foi criada recentemente, sendo exibida no Discovery Kids.

Ronaldinho Gaúcho tem sua revista publicada desde 2006, baseada na do craque anterior. De primeira, a Turma da Mônica aparecia com frequência, mas acabou se tornando totalmente independente. Também se tornou animação, exibida por canais como Gloob.

Neymar vira personagem e diz esperar que gibi incentive crianças a ... Neymar Jr. está tendo sua passagem atualmente e também há projetos para uma animação. A família do jogador faz participações nas histórias, além de haver alusões a musicas dançadas por Neymar. Podemos finalmente vê-lo em pé por mais de vinte segundos. Ah! O Maradona também já estrelou sua revista,"A Turma do Dieguito", mas este não interessa.


Agora, falando de apresentadoras infantis... A primeira foi a Xuxa, que lançou a "Revista da Xuxa" (avá), publicada de 1987 à 1993. A revista contava com Xuxa, suas Paquitas e toda a sua turma, além de outros personagens como a Mocreia Fantástica, maior inimiga da rainha.

A revista foi um grande sucesso e levou várias crianças às bancas. Esta só voltaria a uma revista com "A Turma da Xuxinha". Outra, de quem já falamos num post, foi a Eliana. Ela virou uma guerreira a lá Sailor Moon e estrelou uma revista com curiosidades,entrevistas e várias outras coisas

 Angelica não podia ficar fora dessa e logo lançou sua revista pela Editora Bloch nos anos noventa. Entre tantas mulheres surgiu o Sergio Mallandro, lançando uma revista após trocar SBT por Globo, inclusive tenho um almanaque no meio dos meus achados no sebo.

 Vamos aos apresentadores de TV.  Além de gravar CD infantil e lançar linha de brinquedos, Gugu Liberato esteve numa revista em quadrinhos. Gugu agora era um aventureiro, com histórias que iam do misterioso ao divertido. Com a revista ainda vinham posteres de bandas apadrinhadas pelo próprio, como o grupo Dominó. Mas era tudo ficção, visto que Gugu virou galã e quase super herói na revista.

O Faustão ficou querido pelas crianças (por motivos desconhecidos) e também acabou lançando um gibi. Lá, Faustão era uma figura engraçada (mais uma prova que tudo era ficção) que acabava envolvido em confusões com seus sobrinhos. Acabei encontrando uma edição desta também e é bem melhor que o programa dele...

Ah! Até a Ana Maria Braga virou personagem de quadrinhos, neles ela era a Aninha, sempre acompanhada pelo Louro. Ana protagonizou histórias bem infantis no fim da década de noventa.

 Voltando ao infantil... Personagens importantes da TV também ganharam espaço nas bancas, alguns deles são Sitio do Pica Pau Amarelo, Chaves, Fofão e TV Colosso. É, o Chaves não é brasileiro, mas vou citar porque sim. Desta tenho algumas edições também, algumas histórias tinham potencial para se tornarem episódios.


Até a serie "Carga Pesada" já teve seu momento nos quadrinhos. As histórias se semelhavam à serie, tinham aventura, mistério e até certo erotismo, o que a fazia levar o selo de "contraindicado para menores de 18 anos".

Acredita que até duplas sertanejas estrelaram uma revista própria? Leandro e Leonardo foram bons exemplos. Publicada pela editora Globo, a revista narrava as aventuras de dois garotinhos violeiros e espoletas.

 Por fim, vamos ao nosso recordista de aparições em quadrinhos, o Didi. Renato Aragão tem a imagem de seu personagem ligado a três gibis: "Os Trapalhões","As Aventuras do Didizinho" e "Didi e Lili". A primeira foi grande sucesso e teve duas fases, de primeira o quarteto era adulto e tinha situações parecidas com as do programa, mas logo houve uma mudança e todos viraram crianças, passando por situações infantis.

 Em 2002 Didi virou Didizinho e Livian Aragão fez sua primeira aparição, ainda como "Livinha". A turma agora era outra bem menos carismática. Aí chegou 2010 e a modinha de revistas em estilo mangá, Livian e Didi estrearam a própria revista...sem muito sucesso, visto que não houveram muitas edições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.