26 junho 2014

Suzy King,a Primeira Subcelebridade do Brasil



 Que o nosso país é repleto de subcelebridades que querem aparecer à todo custo,todos sabemos. A maioria delas é ex de jogador de futebol,ex-reality ou simplesmente seres que aparecem por um escândalo qualquer e...BANG! Está em "A Fazenda". Mas duvido que saiba que esta classe já existia desde os tempos do Teatro de Revista e das Vedetes,na verdade,duvido até que saiba o que são essas coisas,mas enfim.
 Vedetes eram as beldades que dançavam,cantavam e atuavam nos teatros,Carmen Miranda é um bom exemplo,mas não é sobre ela que falaremos hoje,mas sim sobre Georgina Pires Sampaio. Esta iniciou a carreira no fim dos anos trinta,usando o nome de Diva Rios,mas pongou no sucesso de Luz Del Fuego (dançarina exotica e naturalista que se apresentava acompanhada de cobras) e foi ao Rio de Janeiro se apresentar num espetáculo que mesclava canto,dança e cobras. A esta altura ela já tinha se tornado Suzy King.

Histórias diferentes,mas o final era sempre o mesmo,na delegacia.
 Em 1953 era anunciado no "Diário de Noticias" que esta iria para Ilhéus,Bahia,mas isto foi entre vários outros nomes,o que em nada sugeria o que iria acontecer na volta. Suzy foi se apresentar numa turnê com suas cobras. Suzy já tinha sido expulsa duma pensão onde morava,por conta de fugas de suas cobras,mal chegara de viagem e uma delas fugiu pro apartamento ao lado (provável que a jiboia Catarina e a sucuri Cleópatra). O acontecido causou um pequeno escândalo por parte duma senhora italiana que ao avistar uma cobra em sua varanda...meio que pirou. Foi a primeira grande aparição de Suzy,que dizia aos jornais que o escândalo se deu por conta da nacionalidade da senhora,já que as cobras eram apenas "duas minhocas". Pior: Diziam as más línguas que foi tudo armação da parte de Suzy.

 E lá vem o caso intitulado de "A Salsicha Envenenada". Suzy (Kin,King ou Kim...é...ela usou nome pá caraio) pediu que sua empregada comprasse uma salsicha na mercearia,segundo ela, a situação da salsicha era deplorável e o preço abusivo. Suzy partiu para a mercearia,onde o senhor,segundo ela, a recebeu com palavras de baixo calão e mandou-lhe dar parte na Delegacia de Economia Popular,onde tinha amigos que nada fariam contra ele...segundo ela. Lá,ela falou com um investigador que disse não poder fazer nada,Suzy se sentiu tão maltratada quanto na situação anterior e partiu para a midia. O texto tinha este titulo "Além de Explorada,Maltratada" e começava dizendo que a mulher tinha aparecido na redação segurando uma salsicha de péssimo aspecto. Sabe o mais incrível? Vários outros jornais republicaram e de repente aquilo era uma denuncia e a policia estava consentindo com o drama das donas de casa.


Suzy no dia do protesto.
O guarda.
 O pior veio depois,jornais eram pouco,Suzy foi com um "Biquíni Sumaríssimo"(era como os jornais chamavam) e duas cobras á Praça Tiradentes,onde dançou até juntar uma multidão (alguns passavam rápido ,achando que fosse uma louca). Agora sim,ela podia lançar pro publico,tudo o que tinha dito aos jornais,só que com um novo fato: As salsichas mataram uma de suas cobras,ela queria dez mil cruzeiros de idenização). Um senhor achou aquilo amorou e começou a bater boca com a vedete,afim de acabar com a discussão,um guarda chegou,mas foi picado por uma cobra (ela se chamava Padilha),que logo viria a picar a dona. Foram pro pronto socorro,depois a delegacia. 



Suzy voltou aos jornais dizendo que o dono da fabrica de salsichas tinha "peitado" alguém para matá-la e que já esperava a morte,só restava saber como aconteceria,já que já havia um homem seguindo-a. Minha passagem preferida vem agora. Suzy decidiu bater o recorde feminino de faquirismo,seu jejum duraria 110 dias...presa numa urna,mas antes disso ela decidiu cavalgar pela cidade (uma alusão á Lady Godiva) acompanhada dum falso índio,este ajudaria no caso de que algo desse errado...e deu. De repente a população se aproximava e o indio simplesmente fugiu. Suzy acabou sendo derrubada e despida pela população,mas foi auxiliada,pegou uma roupa emprestado e partiu para a delegacia (de novo). Ainda houveram manchetes dela contando sobre as "mãos bobas".


Isso é cara de faquiresa?

 O Jejum não durou,lógico. A faquiresa pediu para que sua empregada pusesse fogo nas cortinas onde estava a urna (que estava exposta numa loja),não deu certo por conta da grande vigilância,para que não quebrasse o contrato,mas outra coisa foi quebrada. Haviam cinquenta e quatro dias de jejum (mas haviam boatos de que lanchava diariamente) quando Suzy quebrou a urna a marteladas,e já ia pegar um taxi quando foi surpreendida por Nocaute Jack,que cuidava da segurança e viria a se tornar massagista da seleção brasileira. Teve um ataque de nervos,foi levada ao hospital,depois à delegacia. Chegou até a acusar o porteiro de maus tratos.
  



A modernidade dos anos sessenta,que desmerecia os "artistas do povo" como ela,fez-lhe ir para os Estados Unidos,onde aderiu outra identidade:Yacui Yapura Sampaio Bailey. Que era 17 anos mais nova.

Nenhum comentário:

Postar um comentário