Pular para o conteúdo principal

Entrevista Com a Atriz Stella Brajterman


 Chegamos ao nosso post número 800! E o post de comemoração teria que ser especial, certo? Pois! Hoje temos uma entrevista com a atriz Stella Brajterman. Ela falou sobre seu primeiro longa metragem,"O Diário de Tati" (baseado no livro de mesmo nome,da Heloisa Perissé), seus objetivos, além de contar novidades sobre sua carreira. Confere (K- Kauan  S - Stella):


K - Quando percebeu que ser atriz era o que queria e como começou?
S - Comecei a fazer teatro aos 6 anos, na escola onde estudava. Aos 12 anos comecei um curso livre no Teatro Glaucio Gill (em copacabana) e foi lá que me dei conta que era toda aquela adrenalina do teatro, aquele encontro de nós atores com a platéia, que eu queria para o resto da vida. A força da presença do Teatro me encantou. 



K - O que participar do filme " O diário de Tati" significou para você? 
S - O Diário de Tati foi o meu primeiro longa metragem (já tinha feito curtas também) por isso foi muito bom porque comecei a entender o dia a dia do Cinema (que é bem diferente do teatro) o lugar do ator no cinema, e como essa grande máquina funciona. O cinema é bem mágico e ao mesmo tempo muito técnico. 

K - Como foi contracenar com a grande Heloisa Perisse? 
S - Foi um aprendizado para mim. A Heloisa Perisse realmente é grande, uma talentosa atriz com um timing de comédia incrível. Foi bem divertido mesmo, a gente deu boas risadas! 

K - Você foi uma adolescente meio Tati? 
S - Acho que um pouquinho todo mundo foi, rs. Mas eu era mais "boa aluna", menos rebelde. Mas sempre tinha umas paixões platônicas, que nem ela. 

K - Há semelhanças entre você e a Ro?
S - Em certas horas sim. Sou bem tímida dependendo da situação. A Ro é suuuuper tímida, mas sempre disposta a estar com as amigas e a defendê-las. Por mais difícil que seja para ela se expressar (por causa da gagueira) ela é comunicativa e amorosa com os amigos. 



K - Qual seu maior sonho e objetivo hoje?
S - Continuar vivendo da minha profissão, fazendo projetos no teatro, no cinema e na tv, que sejam de qualidade, e produzidos com Amor e troca. Na Arte não se faz nada sem Amor, entrega e troca. E verdade.

K - Quem são seus heróis e suas influencias? 
S - Muita gente e muita coisa!O mundo todo aí fora me inspira.. mas se for para citar nomes: Pina Bausch (coreógrafa alemã) do teatro-dança, George Mélies (cineasta e ilusionista francês) , Bach (compositor), minha família, meus amigos criativos e criadores. 

K - Quando poderemos te ver atuando de novo? 
S  - Estou em cartaz com o lindo espetáculo "Nós de Borboletas" dirigido por Emilio de Mello e Cristina Moura, no Oi Futuro Ipanema. Mas acho que vem outras coisas bem legais por ai!

Quero agradecer à Stella,muitíssimo,que foi super simpática. Espero vê-la bastante no teatro, nas telinhas e nas telonas brevemente. Espero que tenham curtido a entrevista,eu amei ,fiquem com Deus e muito sucesso pra Stella!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Betty Boop, a Verdadeira História

Apesar de não estar no ar em nenhuma animação no momento, Betty Boop é certamente uma das personagens de cartoon mais populares do mundo. Ela está por toda a parte, canetas, camisetas de times de futebol e até tatuagens de senhoras de meia idade. Mas qual a sua origem?

Inês, um retrato do Brasil

Em 2012, outro vídeo viralizava na internet. O que parecia ser só mais um meme passageiro trouxe a público uma personalidade pitoresca do país, que acabou por despertar simpatia em milhões de pessoas. Este alguém em questão é Inês Tânia Lima da Silva, mais conhecida pelo nome artístico de Inês Brasil, que, com um vídeo de inscrição para um popular reality show, viu nascer o sonho de uma carreira musical que a tirou da prostituição.

De Irmã de Kennedy a Ator de Hollywood: Vítimas Famosas da Lobotomia

Você tem depressão, alguma fobia ou questão psicológica? E se o seu médico receitasse a retirada de uma parte do seu cérebro como tratamento? Pode parecer bizarro, mas esta era uma prática comum no começo do século XX, chamada de Lobotomia. A intervenção cirúrgica desenvolvida pelo médico português António Egas Muniz perdeu popularidade por transformar os pacientes em verdadeiros vegetais quando não os levava à morte. À seguir, tratamos sobre algumas figuras conhecidas que foram vitimas do procedimento.